quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Na Estante: Left Drowning


Como sempre, eu não sei como começar. O livro é muito bom (é um new adult, como contei aqui), mas é bem pesado em todos os sentidos da palavra. Assim como os outros livros do "gênero" ele tem muito palavrão, muita bebida, muitos problemas na faculdade e sexo. Mas esse livro me pegou de surpresa, ele é bem mais detalhado que os outros (Belo Desastre, Easy, ...). A autora pelo menos conseguiu montar essa bagunça toda de uma forma que no fim das contas fazia sentido, eu ri, chorei, me apaixonei, fiquei brava e tudo isso com esse livro. Claro que temos que levar em consideração que eu sempre entro muito no mundo que estou lendo, mas Left Drowing é um livro muito bom, e ponto.

No livro conhecemos a história de Blythe McGuire, uma garota que está no ultimo ano da faculdade, mas que não aproveita a vida, apenas respira e vai levando as coisas como elas estão mesmo. Quatro anos antes (a história é narrada em primeira pessoa no presente) ela perdeu os pais de uma forma bem trágica em um incêndio e mesmo tendo salvo seu irmão toda a culpa parece cair nela. A vida dela é toda sem sentido até que um dia ela acorda muito cedo e não consegue mais dormir. Por total falta de escolha ela resolve ir tomar café em uma das lanchonetes da faculdade, ela pede dois cafés e fica sozinha pensando na vida. Até que do nada um garoto todo serelepe aparece e senta perto dela, roubando um dos cafés. É aí que conhecemos o meu personagem favorito do livro, Sabin Shepherd.

Sabin ignora totalmente o fato de que Blythe não queria companhia e fica conversando com ela, mesmo sem nunca tê-la visto na vida. Ele resolve no final da conversa que eles seriam melhores amigos e que ele precisava dela nas apresentações de teatro dele na faculdade. Sabin faz Blythe ter vontade de viver naquela manhã e depois de trocar informações com seu mais novo melhor amigo ela sai para caminhar e acaba parando perto do lago. O que mais chama sua atenção é um garoto que está atirando pedrinhas e as fazendo pular na água. Alguma coisa naquele garoto atraí cada fibra do corpo dela e é isso que a faz ir falar com ele. O garoto, Chris, acaba ensinando como tacar as pedinhas e faz Blythe sair de sua rotina chata mais uma vez naquela manhã.

"There's nothing good to be said about sanity. It's dull. 
Live a Little. Come on." - Página 25

Christopher passa o resto da manhã conversando com Blythe, e quando vão se conhecendo melhor ela descobre que ele é o irmão mais velho de Sabin (e que ainda tem outros dois irmãos nessa brincadeira). Chris apresenta Blythe para todos os seus irmãos (inclusive para Sabin que faz uma festa quando reencontra sua mais nova melhor amiga). Ela acaba conversando cada vez mais com os irmãos (Chris, Sabin, Eric e Estelle) e com o namorado de um deles. Aos poucos B. (apelido fofo que Sabin usa) começa a viver, ela está com amigos e perde o medo de existir. O que ela não esperava é que se apaixonaria por Christopher, assim como ele não esperava se apaixonar por ela.

Os dois acabam lutando contra isso uma vez que ficam com medo de perder a amizade. Sem esquecer que o passado de ambos é bem complicado (o dele consegue ser três vezes pior que o dela). Assim como em Crash o passado dos dois estava ligado e tudo indicava que em algum momentos eles acabariam juntos, o único problema é que Chris não acredita em destino. Para piorar, Chris não acredita nem nele mesmo, em alguns momentos da vontade de pegar o personagem e sacudir para ver se ele acorda. Como em muitos outros livros desse "gênero" o menino fica achando que não é bom o suficiente para a menina e vice-versa. Eles são mais decididos em alguns momentos, mas conseguem ser irritantes de tão teimosos em outros.

"You're left drowning. (...) And you're struggling to breath. 
(...) So do it. Just Breathe." - Página 60

Blythe usa Chris (e Sabin em alguns momentos) como porto seguro. Ele consegue acalma-la de uma forma única, sem esquecer de que quando ela está afogando em suas memórias ele é o único que consegue lembra-la de respirar. No fim das contas Blythe acaba tendo o mesmo papel na vida dele, ela consegue faze-lo viver o presente, lembrando de respirar. Os personagens são muito bem elaborados. Quando a história tem um foco tão grande na história geral de todos é meio complicado e corre o risco de ficar sem sentido, mas a autora fez um ótimo trabalho. Sabin, como falei antes, é meu personagem favorito e nem é o principal! Estelle e Eric são meio secundários, mas mesmo assim são importantes na história e o mesmo serve para o irmão da Blythe.

"You're the great love of my life that 
i'm never going to have." - Página 280

Lembrando que é um livro bem pesado, acho digno falar isso mais uma vez (Se você achou Belo Desastre ou Easy pesado é melhor evitar esse). Em alguns momentos algumas cenas pesadas ficavam até desnecessárias, mas logo a autora dava um jeito de tudo aquilo fazer sentido, afinal a ligação dos personagens é bem forte. As editoras brasileiras estão perdendo muito. Elas precisam correr contra o tempo, o new adult ainda é uma coisa muito nova aqui no Brasil, mas tem livros estupidamente bons lá fora. Left Drowning (e alguns outros que tive que ler em inglês e outros que ainda estão na wishlist, que só tem em inglês) está aí como prova disso. Se você consegue ler em inglês e gosta do "gênero", vai na fé (ainda mais porque o ebook está barato, comprei por menos de R$3, mas agora subiu um pouco, haha). Em resumo é um livro sobre destino, esperança, amor e amizade.

Left Drowning
Autora: Jessica Park
Editora: Skyscape
Páginas: 400
Skoob do Livro.
Meu Skoob.

6 comentários:

  1. queria saber ingles para ler =/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. o inglês dele nem é dificil, é só ir treinando :D

      Excluir
  2. Fiquei suuper curiosa agora! Pena que não consigo ler em inglês :/ o jeito é torcer para alguma editora lançar aqui no Brasil! SUAHUSA

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. é só ir treinando, ler em inglês é bem mais facil que parece :D
      mas realmente, as editoras brasileiras precisam acordar para vida hahaha

      Excluir
  3. Achei legal a história, embora pra mim seja impossível ler um livro todo em ingles!
    Assisto meus filmes e séries em ingles e algumas palavras, expressões eu consigo saber mas um livro, penso que é impossível!

    Tenho 4 livros em inglês que parecem ser legais, mas nao consigo ler :P KKKK

    beijos
    http://geracaoleiturapontocom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na realidade, eu acho mais facil ler haha hoje eu entendo os dois, mas sempre achei mais facil ler em ingles haha

      vai tentando, vai na cara e na coragem (foi como eu fiz haha) :DD

      Excluir