About - Izabela Lopes


Sempre que as professoras de redação colocavam como tema "Minha Vida" eu tirava nota baixa (não tão baixa, mas bem menos que no outros textos). Nunca sei por onde começar, o que falar, como terminar e SEMPRE ficava faltando muitas coisas legais (aqui provavelmente não vai ser diferente, sorry). Mas acho digno ter essa parte de "about" no blog, afinal vocês lêem muito sobre mim (cada opinião que aparece nesse blog é minha de verdade, em cada vírgula) e tem gente que adora conhecer um pouco mais da vida alheia que já vê tanto no blog (eu sou assim, kk). Bom, espero que fique bom e se alguma professora antiga minha estiver lendo isso, que nota eu tiraria? Obrigada.

Meu nome é Izabela, mas você pode me chamar de Bela, de Iza, de Bells ou qualquer outra variação do meu nome (tem mais? kk). Eu nasci no dia 07 de Junho de 1994 em uma cidade bem pequena do sul de Minas Gerais, é por isso que falou muito "uai", "trem" e outras mineirices da vida. Eu não lembro de quase nada de quando eu era pequena e não tenho nenhuma história divertida sobre quando eu era mais nova, é triste, eu sei. Não gostava de ler, era chata (sério) e usava um chápeu rosa muito brega (graças aos céus a gente cresce).


Eu sempre fui muito sonhadora, até demais. Nunca estou só no mundo real, minha cabeça está sempre bem longe em mil lugares que acabei de criar e nunca é alguma coisa simples. Acho que foi isso que ajudou quando eu comecei a tentar gostar de ler, a possibilidade de viajar muito sem sair do lugar. Como uma menina que detestava ler virou uma maníaca por livros? Devo tudo isso à duas pessoas: Minha professora de português da quinta série e a autora J.K. Rowling. Uma colocou na minha cabeça que sem leitura eu ia ver cada dia mais minhas notas em todas as matérias baixando e me mostrou que ler podia ser divertido enquanto que a outra me mostrou o quão mágico um livro pode ser, literalmente ou não.

Graças aos livros meu amor pelo inglês começou e criei uma paixão maluca pela Inglaterra. Comecei a ter mais amigas (uma das minhas amigas começou a conversar comigo por conta de Harry Potter, somos amigas até hoje!) e a escrever. Meu Deus, nem queiram ver as bobeiras sem sentido algum que escrevia aos 14 anos, mas tudo isso me ajudou muito, acho que sempre quis brincar de escritora, sabe? A Disney também sempre esteve muito presente na minha vida, ela tem parte da culpa quando falo que sou muito sonhadora.


Quando eu tinha 16 anos eu fui para um intercâmbio teen na Inglaterra (e na França). Aprendi tanto, e não estou falando só de inglês (não sei francês :P). Também foi aí que eu decidi o que eu faria da minha vida, bom, pelo menos o que até então eu achava que faria. O mundo é gigante, e no momento que coloquei meus pés na Europa eu tive certeza que queria conhecer muito mais, aí você adiciona o fator "sonhadora" e vê a bagunça que dá. Voltei para o Brasil com a cabeça bem diferente, e bagunçada se formos pensar em fuso horário, sempre fico muito lerda quando mudo de fuso horário de forma drástica. 

Eu fiz mais ou menos 15 anos de ballet e por alguns anos eu realmente acreditei que eu queria dançar a minha vida inteira. Não vou mentir, sinto muita falta mesmo do ballet, mas fico feliz de verdade por não ter seguido esse caminho. Eu estaria sem emprego, tenho um problema bem chatinho no joelho (que consegui 'arrumar' com o pilates) e foi por isso que parei de dançar (imagina uma bailarina que não pode dançar? pois é, ainda bem que não dei alok de tentar faculdade de dança). Bom, como comentei antes, o inglês ficou bem presente em minha vida e foi assim que acabei começando a dar aulas com 16/17 anos. Na minha cabeça estava tudo certo, eu daria aulas para o resto da minha vida (ainda amo dar aulas, mas vocês vão ver como minha vida vai dar um loop já-já).


Com 17 anos eu passei em três faculdades federais e duas particulares (falo mesmo, estudei demais para guardar esses números só para mim, kk). Definitivamente a escolha mais difícil da minha vida foi a faculdade. Ainda com medo de ter escolhido errado vim parar na UFSJ, ahm esqueci de contar que eu curso Letras (Inglês). Quando comecei a estudar para os vestibulares fiz um acordo com os meus pais de que se eu passasse em uma federal eu iria para Disney, como passei em três não teve desculpas, mas ainda tive que esperar um ano, e nesse ano muita coisa aconteceu, podemos começar com o fato de que fiz 18 anos e virei maior de idade. Escrevi mais de seis histórias (sendo que cada uma tinha bem mais de vinte capítulos), aprendi a cozinhar e criei um blog (esse que você está lendo!).

Morar longe dos meus pais mudou ainda mais a minha cabeça (que já tinha sofrido algumas mudanças no intercâmbio). O mundo é grande demais para eu ficar parada em um lugar só, eu quero muito mais que uma única cidade em minha vida (atualmente tenho a que sempre morei e a que moro por conta da faculdade). Foi aí que essa sonhadora sem limites foi parar nos Estados Unidos, Orlando para ser mais clara. O lugar mais mágico do mundo foi o empurrão que faltava para a sonhadora perceber que o mundo realmente precisava dela. Aí que eu decidi que queria ser guia. Eu poderia usar meu inglês (e ainda aprender mais idiomas), viajar e conhecer o mundo, ficar no controle de alguma coisa grande (quem me conhece bem sabe que eu adoro comandar alguma coisa, alok) e ajudar de uma forma ou de outra pessoas que nunca vi na vida a realizarem os sonhos delas. Uma sonhadora como eu só fica feliz de verdade quando vê não só seus sonhos virando realidade, mas os sonhos alheios também.

Já estou no final da faculdade, já fiz alguns cursos de guia/monitoria Disney, continuo escrevendo (me faz muito bem), aprendi a gostar de mim (isso é muito importante, sabia?), continuo lendo que nem uma maníaca e é isso... Ah! Publiquei um conto (meu primeiro!!) na amazon e ele chegou ao primeiro lugar da loja, foi a prova de que sonhos podem sim virar realidade. É isso? Não! Qual é, tenho 21 anos... Isso não é nem metade de um mundo (literalmente) de coisas que ainda tenho para viver. Se você chegou aqui em baixo tenho três opções para te descrever: Ou você é a a minha(meu) mãe(pai) e como sempre veio mostrar que me apóia em tudo (obrigada <3), ou você é uma antiga professora de português minha que quer dar a nota que pedi lá no começo do texto ou (por último, mas não menos importante) você assim como eu adora conhecer as pessoas e tava com tempo sobrando para ler a minha história, haha.

Continua... 
(no maior estilo das séries legais que amam um suspense justo na melhor parte).