sábado, 21 de abril de 2018

Na Estante: Meu Romeu


Quando li a sinopse do livro, foi amor a primeira vista. Misturava tudo que eu amo em um livro só, com coisas que, até então, eu ainda não tinha visto em livros famosinhos e tudo parecia bom demais. Digamos que, de certa forma, gostei mais da sinopse do que do próprio livro. A história é bom, mas é um pouco confusa, além disso, tem sérios problemas. A relação dos personagens principais passa longe de ser saudável e, infelizmente, isso é um padrão na maioria dos new adults (e eu já falei sobre isso aqui no blog). Pensando sobre isso, ficou difícil ler o livro. Ele não é ruim, mas ficou com três estrelas no final, mas não podemos negar que quase foram duas. O que salvou uma estrela, foi o fato de que a história te segura. pensei em largar a leitura algumas vezes, muitas dessas por preguiça do que estava rolando, mas lembrei de duas coisas: eu havia pagado pelo livro (haha) e eu realmente queria saber como essa grande bagunça iria terminar. Vocês me conhecem, vou contar tudo aqui nos detalhes sobre o que achei, então vamos por partes, rs.

Cassie Taylor está prestes a estrelar uma produção gigantesca e muito esperada da Broadway, mas está vendo tudo que sempre trabalhou muito para conseguir desabar bem na sua frente. Ela poderia perder o papel, o sonho e até mesmo a cabeça no meio disso. Tudo porque o seu mais novo par romântico em cena é o seu ex-namorado, e queridinho do momento, Ethan Holt. E é aí que precisamos voltar alguns anos em suas histórias para entender melhor como chegaram até ali. Cassie, quando mais nova, nunca acreditou que poderia realizar seu grande sonho de ser uma atriz de teatro famosa, mas sempre buscou a realização mesmo assim. Quando ela conseguiu entrar em uma das maiores escolas de atuação do país, tudo parecia surreal demais. E é aí que ela conhece Holt, quando os dois começam a estudar juntos e, por um acaso, são escolhidos com os personagens principais de uma adaptação da peça Romeu e Julieta, que a escola irá fazer.

"Meu Romeu está em cada centímetro dele." - Página 206

O que eles não esperavam, era que a química que eles tinham no palco, e que havia rendido o papel para eles, era muito mais do que algo profissional ou apenas dom para atuação. Os dois estavam completamente conectados e não conseguia sequer ficar um longe do outro por muito tempo. Só que tinha um problema, Holt não podia dar o que Cassie queria, um relacionamento seguro (e saudável). Ele tinha sérios traumas quanto a isso e evitava ao máximo conversar sobre o que sentia e possíveis soluções para isso. E o que vamos descobrindo aos poucos, uma vez que a história vai e volta do presente para o passado, é como a relação deles foi sendo construída e, logo depois, sendo arruinada. Como chegaram ao ponto que estão nos dias de hoje e tudo que Holt, muito arrependido, está disposto a fazer para reconquistar seu grande amor.

"Somos esses imãs gigantes que continuam se revirando, 
atraindo um ao outro e então repelindo. 
E eu só... eu..." - Página 132

Não consegui ir com a cara do Holt, torcer por ele ou sei lá mais o quê. Simplesmente queria tirá-lo do livro e deixar só a Cassie lá tentando brilhar nos palcos para realizar seus sonhos. Holt é o que vemos definido na internet como um embuste. A relação que ele cria com a personagem principal não é saudável e em muitos momentos ele inverte a história de forma que ela se sinta culpada pelo relacionamento não estar dando certo, por mais que ele fique fazendo o charminho de 'eu avisei que não era bom para você'. Isso na história do passado deles. No presente é ainda pior, a menina está se recuperando do trauma e quem aparece? O próprio. Argh. Também achei Cassie um pouco sem personalidade definida como personagem, mas o grande problema aqui foi o criatura do Ethan mesmo (e eu amo esse nome, palhaçada isso).

O livro estava com quatro estrelas até eu terminá-lo e perceber que o final é corrido e totalmente no estilo: vai ter que comprar o segundo livro para entender tudo. Não vou comprar o segundo livro e nem sei se quero entender alguma coisa dali, rs. Como disse lá em cima, a escrita é muito boa e a leitura te prende, afinal, você quer saber o que aconteceu, como aconteceu e tudo mais (já contei que vai continuar sem saber se for ler só o primeiro livro), mas passei tantos momentos pensando em largar a leitura que foi aí que percebi que tinha um problema. Além do que, as idas e vindas entre o presente e passado me deixaram bem confusa em muitos momentos. Enfim, ando meio revoltadinha com alguns livros e isso pode ter afetado um pouco a leitura, mas faz parte. De forma geral, é um senhor New Adult com todos os clichês possíveis para uma história assim.

Meu Romeu
Autora: Leisa Rayven
Editora: GloboAlt
Páginas: 407
Skoob do Livro.
Meu Skoob.

quinta-feira, 12 de abril de 2018

Na Estante: Como Se Fosse Magia


Eu li esse livro no finalzinho de março, mas só agora consegui parar tudo que estava fazendo para escrever a resenha. Quem me acompanha no canal do blog ou nas redes sociais, viu a bagunça que estava na minha vida (por conta de uma mudança). Mas, finalmente, consegui resolver as coisas e organizar parte do que estava uma zona, rs. Então, aqui estou eu com a resenha desse livro que é completamente devorável e uma delícia de ler. Ele ficou com cinco estrelas e mereceu muito bem cada uma delas. Foi bem legal ler algo diferente da autora, já que estava acostumada só com a série Batidas Perdidas (por mais que alguns personagens da série sejam levemente citados nessa história). Como sempre, vou contar tudo nos detalhes para vocês.

Eva é uma escritora de sucesso que sempre teve uma relação bem diferente com seus personagens. Eles criavam vida bem na sua frente e, basicamente, contavam suas histórias para que ela pudesse escrevê-las. Tudo estava uma maravilha, os livros vendiam como água no deserto, pessoas queriam os direitos autorais para filmes e séries e os fãs a adoravam. Só tinha um problema, ela estava sem conseguir escrever e precisava, urgentemente, entregar o livro final de uma série que estava escrevendo. Os personagens simplesmente haviam sumido de sua cabeça. Ela já tinha tentado de tudo, mas não conseguia criar a ligação que precisava para terminar sua história. Foi aí que no meio de uma tentativa de se reencontrar ela acaba salvando uma vida. Um homem tinha acabado de ser assaltado e estava jogado na rua, sem pensar muito, ela correu para ajudar. O que ela não imaginava, era que o homem era a cara de seu personagem principal. Lá estava ele, Enzo, em carne, osso e sem memória.

"Escrevo (...) como se minha vida dependesse disso. 
E talvez ela dependa..." - Página 123

Por conta do tombo que levou, Enzo estava sem memória e, para falar a verdade, nem sabia ao certo se esse era mesmo seu nome. É aí que a bagunça fica ainda maior, tudo em volta deles começa a fazer sentido com a história que Eva já tinha escrito. A forma como eles se encontram, os detalhes bobos que ela estava vivendo em sua vida, tudo indicava que ele era mesmo seu personagem. Mas como? Isso não seria possível. De primeira, ele acredita que ela é maluca, mas aos poucos, depois de ler os livros enquanto está no hospital, vai percebendo que pode até ser verdade toda aquela maluquice sobre ser um personagem. E é no meio disso tudo que os dois precisam se encontrar de verdade. Ele, para recuperar sua memória e entender que ele realmente é nesse história toda. Ela, para aceitar que as vezes não consegue controlar nem mesmo os mundos que cria. As histórias já estavam ligadas e eles precisavam logo descobrir se ela teria ou não um final feliz.

"Tem tanta verdade no que você escreveu no seu livro que a 
cada momento acredito mais que eu possa 
mesmo ter vindo de lá." - Página 79

A resolução da história me lembrou muito um filme que vi uma vez na netflix, mas não vou contar qual foi para não virar um grande spoiler do final, e todo o enredo me lembrou muito a história de Quando a Noite Cai, da Carina Rissi. As histórias são bem diferentes, mas, ao mesmo tempo, tem um estilo bem parecido. De qualquer forma, eu simplesmente achei bem legal colocar todo esse universo de criação literária dentro de um livro. A única coisa que achei um pouco chato enquanto eu lia, foi que a personagem principal ficava tentando explicar toda hora como a ligação dela com os leitores era a melhor do mundo e como o jeito dela de escrever era único e mágico. Como a personagem principal é totalmente inspirada da própria autora do livro (impossível não perceber isso), ficou parecendo que a autora queria se afirmar toda hora através do livro, sabe? Não sei se consegui explicar, mas tinha hora que isso cortava o que estava acontecendo só para a personagem falar sobre a ligação dela com os leitores e o dom dela.

Enzo é um personagem maravilhoso e todo o drama dele com a Eva e o mistério que estão vivendo é muito bem escrito e realmente nos prende até o final. O que me lembra, achei o final um pouco corrido (tenho achado isso de muitos livros recentemente). Quando as coisas começaram a se resolver, pareceu que a história saiu correndo para resolver todo o resto e acabar. Enfim, isso não atrapalhou em nada o livro, uma vez que ele continuou com cinco estrelas no final das contas. Para quem gosta de mundos mágicos, histórias muito bem escritas, romances dignos de um filme hollywoodiano, esse é o livro certo na medida certa.

Como Se Fosse Magia
Autora: Bianca Briones
Editora: Gutenberg
Páginas: 208
Skoob do Livro.
Meu Skoob.

segunda-feira, 26 de março de 2018

Na Estante: Kiro e Emily


Esse livro é na verdade é um presente da autora para os leitores da série Rosemary Beach, tanto que ele está sempre de graça nas plataformas digitais de leitura (tanto em inglês como em português). O livro ficou com quatro estrelas, mas isso se deve ao fato de que realmente acho a escrita da Abbi bem devorável. A história tem muitas falhas e, como é um pouco mais antiga, ainda tem muito do machismo do começo da série. Mesmo assim, é uma história que te dá muita vontade de ler e, se você acompanha a série completa, é muito legal de saber o antes de toda uma história. Foi muito legal ver um outro lado de alguns personagens que, normalmente, estão mais em segundo plano. Sem esquecer que a história em si do Kiro e da Emily realmente merecia ser contada. Como sempre, vou contar tudo nos detalhes para vocês. É importante lembrar que estamos falando de uma série aqui e que pode considerar uma coisa ou outra como spoiler. Pronto, já avisei.

Kiro faz parte de uma das maiores bandas do mundo. Sua vida se resume em ser um grande astro e aproveitar tudo que vem com esse pacote. Emily, por outro lado, nunca quis fazer parte desse mundo e de toda essa loucura, mas por conta de uma prima, que era muito fã da banda, acaba indo à vários shows e a ajudando a tentar entrar em uma das badaladas festas que eles faziam. é assim que os mundo dos dois se encontra e a ligação é automática. Kiro precisava conhecer aquela garota que, definitivamente, não fazia parte de seu mundo. Emily já queria distância, mas não conseguia evitar o fato de que se sentia muito bem perto dele. Foi assim que a amizade dos dois começou. Eles se falavam todos os dias e se apoiavam, fosse na faculdade ou em um show para milhares de pessoas. O amor aos poucos foi crescendo e logo eles perceberam que não conseguiriam mais ficar um longe do outro. Por isso mesmo, Kiro a convida para se mudar para a casa da banda e ela vai sem nem pensar duas vezes. Os dois ainda teriam muito para aprender, mas sabiam que com o amor que sentiam tudo valeria a pena.

"Quando saí de Chicago, achei que nunca mais teria notícias dele.
Mas Kiro me ligou na mesma noite e nossa amizade
foi crescendo com o passar dos meses." 

Não posso contar muita coisa, afinal, o livro é bem curtinho (quase um conto). De qualquer forma, a história em si me lembrou muito o livro Lead (que também tem uma grande banda no meio), por conta de toda a história de mudar para a mesma casa e tudo mais, mas só isso mesmo. De resto, é bem visível que Mase (do livro À Sua Espera, da série Rosemary Beach) é filho do Kiro. Os dois são muito parecidos, de verdade. Ainda mais quando o assunto é achar que são donos de suas parceiras (argh). Emily é um doce de personagem e isso já era de se esperar, uma vez que conhecemos a filha dos dois, Harlow (do livro A Primeira Chance, também da série Rosemary Beach) e sempre falam sobre como as duas são parecidas.

"Amo você, Emily. Sempre vou amar. Nesta vida, 
na próxima e na outra. Eu sempre vou amar só você."

De forma geral, adorei conhecer mais sobre o antes dessa série, afinal, por mais que a história seja focada no casal principal, vemos tudo que está acontecendo com a banda e como isso afetou a geração que lemos no resto da série. O que não gostei, além do jeito maníaco de Kiro, é como a história termina. Para quem conhece a série, o final não é um mistério, mas a autora correu demais com a história. O livro é num ritmo calmo em que vemos tudo acontecendo numa ordem bem organizada. E aí, quando chegamos ao final, ela vai resumindo tudo e pulando várias coisas e quando vê acabou e não explicou muito mais. Parecia que ela tinha cortado, sabe? Mas, enfim, para quem é fã da série, é algo que vale muito a pena, ainda mais por ser um livro que está sempre de graça, rs.

Kiro e Emily
Autora: Abbi Glines
Editora: Arqueiro
Páginas: 117
Skoob do Livro.
Meu Skoob.