segunda-feira, 11 de junho de 2018

Cadê o canal que estava aqui?

Não! Eu não deletei o canal do blog. 

Tudo aconteceu na quarta passada, dia 06 de Junho, e eu vim deixar registrado aqui no blog, para quem não me segue nas redes sociais. Expliquei tudo em tempo real no stories do meu instagram e comentei tudo na página do blog, mas agora vamos por partes mais uma vez. Tudo indica que alguém (com muito tempo livre) denunciou várias vezes o meu Google+ e, por conta disso, o google desativou minha conta por lá e levou junto meu canal do youtube. É justo? Nem um pouco. Nunca usei o google+ e o meu canal estava dentro de tudo quanto é norma. Nunca falei mal de pessoas por lá, nunca mostrei coisas que não devia e nem sequer usei palavrões em algum vídeo. Se estou chateada? Demais. Já chorei o que tinha para chorar, já gritei com o nada e reclamei sozinha e com terceiros também, mas claro que isso não ajuda em nada. Também já entrei em contato com o youtube duas vezes e sigo sem resposta. Fui também atrás da network que cuidava do canal e, adivinha, eles cancelaram o contrato quando o youtube desativou a minha conta e, por isso, não podem me ajudar (além de terem sido levemente sem educação ao me explicarem isso). 

Não vou negar que, nesse meio tempo, já passou pela minha cabeça em largar tudo e jogar tudo por ar. Mas passou. Passou porque lembrei que não estou sozinha aqui, tenho vocês. O canal não era feito de uma pessoa, mas sim de quase sete mil pessoas que 'gastaram' um minuto da vida delas para se inscrever no Brincando de Escritora. Isso não é um assunto só meu, é um assunto NOSSO. Claro, ainda temos o blog aqui e todas as minhas outras redes sociais, mas o que importa aqui e agora é o futuro do canal. Preciso de vocês nessa, mais do que nunca. Pode ser que o youtube resolva isso essa semana, mas pode ser que nunca resolva, afinal, sou um canal pequeno sem advogados e sem dinheiro para isso também. O que devo fazer? Preciso de ajuda! De ideias! Já pensei em criar outro, mas perderia o nome e os mais de quatrocentos vídeos também. Todos os milhares de comentários e histórias que criamos lá iria para o ralo. Viu? É muito complicado pensar.

Enfim, esse post é para me explicar, é para pedir ajuda e uma luz também. Obrigada por se preocuparem, por terem vindo perguntar e por estarem ao meu lado. Somos pequenos naquele mar de vídeos do youtube, mas somos unidos. Amo vocês.

quarta-feira, 30 de maio de 2018

Na Estante: Nos Passos do Amor


Quando o assunto é livro de bailarina, sou realmente sempre muito chata. Fui bailarina por quinze anos da minha vida e, por isso, tenho um olhar bem crítico pro assunto. O que mais me incomoda, em geral, é que a história acaba sempre sendo a mesma e o balé, de verdade, normalmente é deixado totalmente de lado, como um simples acessório. Aqui, por outro lado, temos uma história bem legal e diferente do que já tinha lido até então, mas alguns vícios de escrita da autora me deixaram com um pouco de preguiça do livro (o que me fez enrolar muito a leitura). Quando eu animava com a leitura e queria saber o que ia acontecer, tinha alguma frase que me dava preguiça e eu parava de ler por um tempo. E assim foi durante quase toda a leitura. Em resumo, o livro ficou com três estrelas e vou explicar tudo nos detalhes, como sempre.

Alícia nasceu para ser uma bailarina. Desde pequena, sempre amou dançar e vivia para isso. Seus amigos estavam lá no balé, suas horas eram gastas lá e até o amor da sua vida estava lá. Caio era uma estrela guia para ela, eles eram amigos desde antes do que podiam se lembrar e construíram uma linda história de amor e de dança, uma vez que eram parceiros em palco também. A vida dos dois estava cheia de planos para o futuro até que um dia, voltando de uma apresentação, todos da companhia de dança acabam em um acidente de ônibus e isso muda a via de muita gente, principalmente a de Alícia. Danilo é um médico renomado que estudou e morou anos fora do país. Ele é apaixonado pelo que faz e viu que já era a hora de voltar para casa para ficar com sua família e seguir trabalhando com o que ama. Assim que chega, já tem seu primeiro desafio, uma bailarina que estava em coma e, ao acordar, percebeu que não sentia mais suas pernas.

"Anjo, por favor, deixa eu te ajudar." - Página 92

A conexão dos dois é rápida e muito forte. Danilo sente a necessidade de ajudá-la a recuperar seus leves e graciosos movimentos da dança, enquanto que ela vê nele uma faísca de esperança. Todos os outros médicos achavam impossível ela voltar a dançar um dia, mas ele conseguia ir além do que todos estavam vendo e acreditava na recuperação de sua paciente. A relação acaba saindo das salas do hospital e um se apoia no outro para seguir em frente em uma vida completamente nova, com muitos desafios e obstáculos. Não seria fácil para nenhum deles, ainda mais para Alícia que já tinha perdido o amor uma vez.

"Você se apaixonou por ele, não foi?" - Página 232

Ok, vamos lá! Danilo é um personagem legal e a participação dele na história faz sentido, mas como que uma criatura me passa anos fora do Brasil (ganhando muito dinheiro) e nunca volta para ver a família? Sim, essa minha revolta faz sentido na história, mas não vou dar spoilers. Quem leu, vai entender, rs. Alícia me cativou muito no começo, mas depois foi me dando preguiça. Isso não é culpa dela, mas sim da autora que a transformou em uma menina boba que só sabia falar da aparência das pessoas e de como ela estava se sentido, blá-blá-blá. Como comentei lá no começo, esse foi um dos motivos de eu ter enrolado a leitura. A personagem descreve tudo demais e quebra muito a quarta parede (fala diretamente com o leitor). Em alguns momentos, essa quebra é legal, mas o tempo todo cansa. 

Outra coisa que me fez tirar estrelinhas, é o fato de que, praticamente, todo personagem desse livro narra a história. Entendo quando temos trocas de narrador e, nessa história, isso era realmente necessário, mas entre os dois personagens principais já seria suficiente. Não entendi para que colocar (literalmente) até os irmãos dela narrando alguns trechos. Aí passava para um outro médico, voltava para a personagem principal, depois para o par romântico, depois outro irmão... Deu preguiça? Pois é. Enfim, não é meu livro favorito, mas é um dos melhores que já li quando o assunto é balé (isso não quer dizer que gostei da história, mas sim de como a dança é tratada).

Nos Passos do Amor
Autora: Julie Lopo
Editora: Planeta Literário
Páginas: 320
Skoob do Livro.
Meu Skoob.

sábado, 21 de abril de 2018

Na Estante: Meu Romeu


Quando li a sinopse do livro, foi amor a primeira vista. Misturava tudo que eu amo em um livro só, com coisas que, até então, eu ainda não tinha visto em livros famosinhos e tudo parecia bom demais. Digamos que, de certa forma, gostei mais da sinopse do que do próprio livro. A história é bom, mas é um pouco confusa, além disso, tem sérios problemas. A relação dos personagens principais passa longe de ser saudável e, infelizmente, isso é um padrão na maioria dos new adults (e eu já falei sobre isso aqui no blog). Pensando sobre isso, ficou difícil ler o livro. Ele não é ruim, mas ficou com três estrelas no final, mas não podemos negar que quase foram duas. O que salvou uma estrela, foi o fato de que a história te segura. pensei em largar a leitura algumas vezes, muitas dessas por preguiça do que estava rolando, mas lembrei de duas coisas: eu havia pagado pelo livro (haha) e eu realmente queria saber como essa grande bagunça iria terminar. Vocês me conhecem, vou contar tudo aqui nos detalhes sobre o que achei, então vamos por partes, rs.

Cassie Taylor está prestes a estrelar uma produção gigantesca e muito esperada da Broadway, mas está vendo tudo que sempre trabalhou muito para conseguir desabar bem na sua frente. Ela poderia perder o papel, o sonho e até mesmo a cabeça no meio disso. Tudo porque o seu mais novo par romântico em cena é o seu ex-namorado, e queridinho do momento, Ethan Holt. E é aí que precisamos voltar alguns anos em suas histórias para entender melhor como chegaram até ali. Cassie, quando mais nova, nunca acreditou que poderia realizar seu grande sonho de ser uma atriz de teatro famosa, mas sempre buscou a realização mesmo assim. Quando ela conseguiu entrar em uma das maiores escolas de atuação do país, tudo parecia surreal demais. E é aí que ela conhece Holt, quando os dois começam a estudar juntos e, por um acaso, são escolhidos com os personagens principais de uma adaptação da peça Romeu e Julieta, que a escola irá fazer.

"Meu Romeu está em cada centímetro dele." - Página 206

O que eles não esperavam, era que a química que eles tinham no palco, e que havia rendido o papel para eles, era muito mais do que algo profissional ou apenas dom para atuação. Os dois estavam completamente conectados e não conseguia sequer ficar um longe do outro por muito tempo. Só que tinha um problema, Holt não podia dar o que Cassie queria, um relacionamento seguro (e saudável). Ele tinha sérios traumas quanto a isso e evitava ao máximo conversar sobre o que sentia e possíveis soluções para isso. E o que vamos descobrindo aos poucos, uma vez que a história vai e volta do presente para o passado, é como a relação deles foi sendo construída e, logo depois, sendo arruinada. Como chegaram ao ponto que estão nos dias de hoje e tudo que Holt, muito arrependido, está disposto a fazer para reconquistar seu grande amor.

"Somos esses imãs gigantes que continuam se revirando, 
atraindo um ao outro e então repelindo. 
E eu só... eu..." - Página 132

Não consegui ir com a cara do Holt, torcer por ele ou sei lá mais o quê. Simplesmente queria tirá-lo do livro e deixar só a Cassie lá tentando brilhar nos palcos para realizar seus sonhos. Holt é o que vemos definido na internet como um embuste. A relação que ele cria com a personagem principal não é saudável e em muitos momentos ele inverte a história de forma que ela se sinta culpada pelo relacionamento não estar dando certo, por mais que ele fique fazendo o charminho de 'eu avisei que não era bom para você'. Isso na história do passado deles. No presente é ainda pior, a menina está se recuperando do trauma e quem aparece? O próprio. Argh. Também achei Cassie um pouco sem personalidade definida como personagem, mas o grande problema aqui foi o criatura do Ethan mesmo (e eu amo esse nome, palhaçada isso).

O livro estava com quatro estrelas até eu terminá-lo e perceber que o final é corrido e totalmente no estilo: vai ter que comprar o segundo livro para entender tudo. Não vou comprar o segundo livro e nem sei se quero entender alguma coisa dali, rs. Como disse lá em cima, a escrita é muito boa e a leitura te prende, afinal, você quer saber o que aconteceu, como aconteceu e tudo mais (já contei que vai continuar sem saber se for ler só o primeiro livro), mas passei tantos momentos pensando em largar a leitura que foi aí que percebi que tinha um problema. Além do que, as idas e vindas entre o presente e passado me deixaram bem confusa em muitos momentos. Enfim, ando meio revoltadinha com alguns livros e isso pode ter afetado um pouco a leitura, mas faz parte. De forma geral, é um senhor New Adult com todos os clichês possíveis para uma história assim.

Meu Romeu
Autora: Leisa Rayven
Editora: GloboAlt
Páginas: 407
Skoob do Livro.
Meu Skoob.